Foto: Reprodução/ Internet
macaco
A Secretaria de Estado da Saúde de Goiânia está investigando a morte de 28 macacos que aconteceram no ano de 2018. Os exames serão realizados para descobrir se os primatas foram vítimas da febre amarela.

O biomédico Hélio Filho, que faz parte da coordenação de zoonoses da SES, salienta que não há motivo para pânico.

Nas últimas semanas surgiram no País algumas campanhas para alertar que os macacos não transmitem a febre amarela. Eles estariam sendo vítimas de ataques por pare de algumas pessoas.

O biomédico reforça que o animal é apenas mais uma vítima e ainda aponta que ele é importante para identificar surtos da doença.

O doutor Hélio Filho ainda conclama a população a comunicar a morte de qualquer macaco, independente da espécie.

Nos últimos três anos, oito pessoas morreram em Goiás vítimas da febre amarela. Foram quatro em 2015, três em 2016 e uma em 2017. Os casos aconteceram em São Miguel do Araguaia, Niquelândia, Alexânia, Alto Paraíso, Cumari, Goiânia, Senador Canedo, São Luiz de Montes Belos e Amorinópolis.

Do repórter Gerliézer Paulo