rauljungmann

Ministro extraordinário da Segurança Pública, Raul Jungmann (Foto: Agência Brasil)

O Ministério da Segurança Pública esclareceu, em nota divulgada nesta segunda-feira (19), declarações feitas na semana passada pelo ministro Raul Jungmann, referentes ao roubo de munição da Polícia Federal (PF) em uma agência dos Correios na Paraíba, Segundo o texto, o ministro não fez associação direta entre o roubo e a munição usada pelos assassinos da vereadora Marielle Franco (PSOL-RJ) e seu motorista Anderson Gomes. A nota diz que a Polícia Federal instaurou inquérito para apurar o arrombamento da agência dos Correios do município paraibano de Serra Branca, ocorrido em 24 de julho do ano passado, e a explosão do cofre.

“Na cena do crime, a PF encontrou cápsulas de munição diversas, dentre elas a do lote ora investigado. O ministro não associou diretamente o episódio da Paraíba com as cápsulas encontradas no local do crime que vitimou a vereadora e seu motorista. Explicou que a presença dessas cápsulas da PF no local pode ter origem em munição extraviada ou desviada e informou que há outros registros de munição da Polícia Federal encontradas em outras cenas de crime sob investigação”, conclui o texto.

Ativista de direitos humanos, a vereadora Marielle Franco e o motorista Anderson Gomes foram mortos a tiros na noite de quarta-feira (14), após participar de evento na região central do Rio. Uma assessora de Marielle, que também estava no carro, foi atingida por estilhaços e escapou.

logo-sagres

Rua Monsenhor Celso, Quadra Área, Lote 2, s/n - Vila Santa, Aparecida de Goiânia - GO, 74912-590
Telefone: (62) 3216.0730

© Copyright 2006-2018 Sistema Sagres Cerrado de Comunicação