onuguine

Secretário-geral assistente para os Assuntos Políticos, Tayé-Brook Zerihoun. (Foto: ONU/Manuel Elias)

O Conselho de Segurança realizou esta quarta-feira uma sessão sobre a situação na Guiné-Bissau.

O secretário-geral assistente para os Assuntos Políticos falou de “razões para otimismo”, após os esforços junto às partes pelo fim do impasse político e intuticional e para lançar o país rumo à paz e ao desenvolvimento sustentáveis.

Eleições

Tayé-Brook Zerihoun disse que o momento atual de preparação das eleições legislativas deste ano, e particularmente das presidenciais de 2019, é essencial e cheio de incertezas.

Ele falou do contributo “sem precedentes de US$ 1,8 milhão” dado pelo governo da Guiné-Bissau para realizar as eleições legislativas.

O total para o processo é de US$ 7,7 milhões para apoiar a parte técnica, a aquisição de material para o registo eleitoral, a logística e outros.

Paz

O embaixador do Brasil junto à ONU, Mauro Vieira, também falou no encontro na qualidade de presidente da estratégia para a Guiné-Bissau da Comissão para a Consolidação da Paz, PBC.

Vieira disse que o governo guineense já formalizou a sua colaboração com o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento, Pnud, e a União Europeia também vai ajudar.

Apesar destes avanços, Vieira informou que “fundos adicionais são necessários” e pediu o envolvimento da comunidade internacional. O embaixador manifestou também a intenção de visitar o país em julho.

Missão

O embaixador mencionou um encontro com os membros da organização que preside, que aconteceu na segunda-feira. Os membros da PBC reiteraram a importância do envolvimento da Comunidade Económica de Estados da África Ocidental, Cedeao, através da sua missão no país, Ecomib.

O embaixador disse que os países destacaram também “que é importante assegurar a sua continuidade até que as condições necessárias para a sua saída sejam completamente conseguidas, pelo menos até as eleições presidências de 2019. ”

Liderança

Mauro Vieira disse que “é necessário continuar com o cumprimento de outras provisões do Acordo de Conacri, como a adoção de um pacto de estabilidade. ” O embaixador afirmou ter “a certeza de que as autoridades da Guiné-Bissau e os atores políticos chave vão continuar a demonstrar a liderança e determinação nesta direção.”

Na sessão também discursou o diretor executivo do Escritório das Nações Unidas contra Drogas e Crime, Unodc.

Na sua primeira intervenção ao órgão para falar do país lusófono, Yury Fedotov disse que é preciso reforçar capacidades locais para ajudar a combater fluxos financeiros ilícitos e fortalecer as respostas da polícia ao crime marítimo.

Um dos exemplos é o Arquipélago dos Bijagós, com 88 ilhas, que expõe a Guiné-Bissau a atividades criminosas, devido às dificuldades de controlar vastas águas territoriais.

logo-sagres

Rua Monsenhor Celso, Quadra Área, Lote 2, s/n - Vila Santa, Aparecida de Goiânia - GO, 74912-590
Telefone: (62) 3216.0730

© Copyright 2006-2018 Sistema Sagres Cerrado de Comunicação