180 jogos, 24 gols marcados, um bicampeonato estadual e uma década de clube. Rafael Tolói tem muita história no Goiás, mas ainda não está satisfeito com o que construiu vestindo a camisa esmeraldina. O zagueiro, hoje com 29 anos, nunca escondeu sua proximidade pela equipe onde construiu sua carreira. Inclusive, recentemente participou da campanha ‘Eternamente Serei Goiás’.

Negociado com o São Paulo em 2012, o jogador depois acumulou passagens no futebol italiano, primeiro na Roma, depois na Atalanta. Consolidado em Bérgamo, onde disputa sua quinta temporada, com 165 partidas disputadas e nove gols marcados, hoje é considerado um dos melhores defensores da Serie A e uma das referências dos nerazzurri bergamascos – um dos atletas há mais tempo no clube, também é o vice-capitão do time.

Em entrevista exclusiva ao repórter André Rodrigues, da Sagres 730, Rafael Tolói afirmou que “acredito que seja o melhor momento da minha carreira. Os últimos anos meus foram muito bons, mas por motivos de lesões tive que parar, fiz uma cirurgia no tornozelo em uma temporada, na outra fiz a cirurgia de hérnia, então perdi um tempo. Mas, graças a Deus, esta temporada estou jogando com mais continuidade, não tive problemas físicos e acredito que esta possa ser ou está sendo uma das minhas melhores temporadas até hoje”.

Na sexta temporada na Itália, o zagueiro reforçou que “evoluí em todos os aspectos: no físico, melhorei muito taticamente e aprendi muito aqui na Itália. Esse tem que ser o pensamento de um atleta, de estar sempre melhorando e buscar cada vez mais aperfeiçoar. Estou muito feliz de poder chegar no nível que cheguei e espero poder melhorar ainda mais, porque tenho margem para isso. Ainda me considero jovem – em outubro faço 30 anos -, então tenho bastante ‘lenha para queimar’”.

Seleção

Apesar do bom desempenho na Itália, Tolói ainda não foi lembrado por Tite na seleção brasileira. Uma das principais revelações da sua geração, participou do título sul-americano com o Brasil em 2009 no time de Rogério Lourenço, que contava com o volante Sandro, hoje no Goiás, o lateral-direito Douglas, o meia Renan Ribeiro e o atacante Walter, seus ex-companheiros em Goiânia, além dos meias Éverton Ribeiro e Giuliano. Contudo, a convocação para o time principal nunca aconteceu.

“Com certeza é um sonho ser convocado para a Seleção. Sei que é difícil e da quantidade de jogadores qualificados na posição que o Brasil tem, mas sigo sonhando e me dedicando, principalmente no meu clube. O importante é fazer bem no meu clube, porque só assim para ter uma oportunidade na seleção”, ressaltou o zagueiro, que também fez parte do vice-campeonato mundial, também em 2009, perdido para Gana, no Egito.

Sobre alguma vez ter sido procurado pela coordenação ou comissão técnica do Brasil, Tolói revelou que “não tive nenhum contato, mas sigo focado com o pensamento de ajudar a Atalanta a cada vez mais melhorar e jogar bem nas competições. Já venho de uma sequência muito boa, de mais de três anos jogando bem, conquistando resultados importantes, e a única possibilidade de haver uma chance de chegar na Seleção é isso”.

rafaeltoloibrasil
Rafael Tolói em ação pelo Brasil nas categorias de base (Foto: Site Oficial Rafael Tolói)
Goiás

Sem jamais perder o contato com suas origens, o defensor garantiu que “sou eternamente grato por tudo o que o Goiás fez por mim, e o meu início não foi fácil. Muita gente pensa que sou de Goiânia, mas, na verdade, sou do interior do Mato Grosso e fui para Goiânia com 13 anos de idade morar sozinho em uma quitinete perto do CT, no Parque Anhanguera. Tenho certeza que, não fosse o Goiás, hoje não estaria aqui e, por isso, expresso todo esse sentimento que tenho pelo clube”.

“Posso dizer que tem uma estrutura como a da Atalanta, muito bem organizada e gerida, e espero que o Goiás possa ter sucesso, assim como a Atalanta vem tendo nos últimos anos. É um sonho meu e tenho um desejo muito grande de poder voltar a jogar no Goiás. Na verdade, é um objetivo na minha carreira e faz parte dos meus planos como atleta, porque sou muito grato ao Goiás, e sinto dentro de mim um débito: tenho que voltar a vestir a camisa e ajudar dentro de campo, e espero que esse sonho possa ser realizado”, frisou.

Leia também – Contra ‘favorito’ PSG de Neymar, Rafael Tolói quer seguir fazendo história na Champions

Ainda em contato com o clube, “tenho um carinho muito grande pelas pessoas que trabalham no clube. Sempre estive muito perto do Goiás, mesmo em São Paulo ou aqui na Itália, porque tenho um carinho muito grande pelo clube e todos sabem e veem sempre nas redes sociais. Até esses dias mesmo recebi uma mensagem do Edminho (Pinheiro, vice-presidente do Conselho Deliberativo) e fiquei muito feliz”.

“É uma satisfação muito grande receber uma mensagem de uma pessoa que representa tanto o Goiás como ele, e esse carinho é muito bacana. É importante na vida de um atleta ter o reconhecimento das pessoas pela pessoa que você foi no clube e o seu caráter. É um objetivo meu voltar e espero que não demore muito: não quero voltar para encerrar a carreira, quero voltar para poder competir e ajudar. O pensamento é aqui agora, mas sempre com o coração no Goiás”, destacou.

Em uma das suas recuperações físicas, “ano passado fiz a cirurgia aqui na Itália, depois disso fui para o Brasil e pude estar duas semanas no Goiás, fazendo a minha fisioterapia no CT. Recebi a visita do grande senhor Hailé Pinheiro, uma pessoa que também tenho um carinho enorme. Sou muito grato também por isso, por terem me ajudado em um momento tão difícil, quando estava recuperando de uma lesão muito complicada, que vinha sofrendo durante um bom tempo com muitas dores”.

Na torcida pelo time no Brasileirão, Rafael Tolói espera “que eles possam rapidamente assimilar essa questão de jogar sem torcida, que, com certeza, será bem diferente. Sabemos que o Campeonato Brasileiro é muito difícil, então é importante partir bem e espero que o Goiás possa fazer uma grande campanha. Estou feliz que o time está bem e fez boas contratações. E não só o Goiás, mas todas as equipes do estado, como o Atlético, que também jogará a Série A, e o Vila Nova, jogando a Série C”.

Com seu nome eternamente gravado na arquibancada do estádio Hailé Pinheiro, o zagueiro afirmou que “acompanho sempre nas redes sociais do Goiás os vídeos. Até começo a imaginar a Serrinha lotada toda de verde, será um caldeirão e um fator muito importante para o Goiás. Fico muito feliz que isso esteja acontecendo e, com certeza, dá uma vontade muito grande de poder jogar na nova Serrinha. Sigo aqui torcendo e quem sabe um dia possa realizar esse desejo de jogar na Arena Hailé Pinheiro”.

 

Ver essa foto no Instagram

 

🇧🇷Gostaria de agradecer por todo carinho e ajuda que recebi nesse período que passei no @goiasoficial foi lindo poder reviver e reencontrar pessoas incríveis que me ajudaram no início da minha carreira, serei sempre grato por tudo e tenho o maior respeito e admiração por esse Grande Clube! Foi maravilhoso estar com vocês, obrigado por me ajudarem nesse momento particular, estarei sempre na torcida por vocês💚! Agora é terminar minha recuperação e voltar ainda melhor pro meu time @atalantabc 💙🖤 🇮🇹 Vorrei ringraziarvi per tutte le cure e aiuto che ho ricevuto in questo periodo che ho passato nel @goiasoficial, stato molto bello potrebbe rivedere persone straordinarie che mi hanno aiutato all’inizio della mia carriera, sarò sempre grato per tutto e ho il massimo rispetto e ammirazione per questo Grande Club ! E ‘stato bello essere con voi, vi ringrazio per avermi aiutato in questo particolare momento, sarò sempre in tifo per voi💚! Ora è finire il mio recupero e tornare ancora meglio per la mia squadra @atalantabc che già mi mancha tanto tanto!💙🖤 📷 @rosironrodriguesfoto obrigado amigo!

Uma publicação compartilhada por Rafael Toloi (@rafael.toloi2) em