Em mais um dia sangrento, o governo do Egito contabiliza pelo menos 32 mortes durante os confrontos desta sexta-feira (16). Os números oficiais apontam que 17 vítimas são manifestantes e 15 são policiais.

Pelo menos 20 manifestações foram convocadas para esta sexta-feira pela Irmandade Muçulmana, grupo do presidente deposto Mohamed Mursi. O evento está sendo chamado de “dia de fúria”. O protesto é contra a matança de manifestantes, o toque de recolher e pelo retorno de Mursi ao poder.

Pelo Twitter, internautas relatam barulhos de tiros disparados por armas automáticas na ponte Ramsés, no Centro da cidade do Cairo.

Na última semana, mais de 600 pessoas morreram nos confrontos entre manifestantes pró-Mursi e policiais leais ao governo interino.