A diretoria do Vila Nova vem defendendo através de seu presidente executivo Hugo Jorge Bravo, a volta do público aos estádios de futebol. Em entrevista recente ao Sistema Sagres de Comunicação, o dirigente colorado demonstrou sua insatisfação por outros segmentos não essenciais estarem funcionando, enquanto os estádios continuam sem a presença do torcedor, devido a pandemia do COVID-19.

Esse assunto vem ganhando força em âmbito nacional e de acordo com Hugo Jorge Bravo, o Flamengo é o clube que mais tem trabalhado no sentido de conseguir a liberação da torcida em seus jogos. A CBF (Confederação Brasileira de Futebol) já comunicou que fará uma reunião com os clubes da Série A, amanhã(24), para discutir esse assunto.

Caso aconteça a liberação de pelo menos 30% da capacidade dos estádios para o torcedor, o Vila Nova não descarta a possibilidade de mudar seus mandos de campo para o Estádio Serra Dourada, na disputa da Série C. Até o momento, houve apenas um contato informal entre a diretoria colorada e a Secretaria de Esporte e Lazer para tratar desse assunto.

Segundo o vice-presidente do Vila Nova, Leandro Bittar, o contato para tratar sobre a utilização do Serra Dourada, foi feito com o Superintendente de Segurança e Infraestrutura Esportiva, Rudson Guerra. A intenção não é apenas contar com um número maior de torcedores, caso seja liberada a presença do público e sim, garantir também, uma melhor segurança e distanciamento entre os presentes no estádio, conforme respondeu ao Sistema Sagres de Comunicação, o dirigente colorado.

“Seria pra ter uma capacidade maior e principalmente, a possibilidade de ter um distanciamento melhor. Oferecer para o torcedor uma segurança maior. Não é só pela quantidade de pessoas, mas pela facilidade, pela questão de estacionamento, entradas, e uma segurança maior e tranquilidade pra quem vai ao estádio”, comentou Bittar.

Lembrando que o Serra Dourada passa por um processo licitatório para a melhoria da iluminação que não atende as exigências da CBF, para jogos das Séries A e B. Já no caso do Vila Nova que disputa a terceira divisão, a iluminação atual é permitida.

Leandro Bittar fez questão de enfatizar que tudo isso é apenas uma ideia inicial da diretoria do Vila Nova, que não há nada definido. “Precisamos sentar e avaliar o que é mais viável, temos que fazer contas. Não é uma decisão, foi feita apenas uma consulta com eles”, finalizou.